Lua de leite: o que, por que e como

posparto pintura (c) desconhecido

“Uma linda lua de leite para vocês”. Via de regra, esse é o meu desejo a toda mãe recém-parida. Mas acho que poucos entendem o que estou desejando (né?). Então, aproveitando o embalo de um post que estou escrevendo sobre o puerpério, resolvi falar um pouco sobre essa ideia e “vender o peixe” da lua de leite.

A função da lua de leite é simples: fortalecer o vínculo e minimizar o estresse. Da mesma forma que a lua de mel servia (serve ainda?) um propósito de iniciar o casal na vida a dois, afastando os dois das tarefas do dia-a-dia para que entrassem em sintonia um com o outro, a lua de leite cria um espaço para o casal (e eventualmente os irmãos mais velhos) se vincular(em) e ganhar(em) intimidade com o novo ser que chegou para compor a família. Para não me estender muito (mais do que o necessário), vou tentar ser didática, para que ninguém fique achando que lua de leite é sinônimo de levar o pequerrucho para Aruba ou Paris!

O que é, exatamente, uma lua de leite?
Trata-se de um período para viver intensamente a vinculação com o bebê, minimizando as atividades mundanas (sair, cozinhar, limpar a casa, socializar) e o contato com o mundo e o tempo “real”. A lua de leite envolve muito contato pele a pele entre o bebê e a mãe (e o pai), pouca atividade física e mental, e, claro, bastante leite materno, pois marca o início dessa relação que é amamentar. Como numa lua de mel, também convém esquecer o relógio e as rotinas para viver integralmente no presente.

Quanto tempo leva a lua de leite?
Não tem regra. Vai da necessidade e do perfil de cada família. Entre duas e quatro semanas me parece um bom ponto de partida.

Qual o sentido da lua de leite?
Ao diminuir as atividades supérfluas – isto é, tudo aquilo que não envolve atender às necessidades fisiológicas e emocionais do binômio mãe-bebê – a família vivencia esse início da relação com o filho de forma plena. A lua de leite libera a mulher da necessidade de entreter os outros, fazer comida ou arrumar a casa; no lugar disso, há repouso (na medida do possível), silêncio (idem), mergulho interior, contato verdadeiro. Essa intensidade também facilita o início do aleitamento: o contato pele a pele promove a liberação de ocitocina (hormônio do vínculo e da ejeção do leite), o peito em livre demanda (sem olhar a hora) aumenta a produção de leite, bem como a confiança e a habilidade da mãe, e o contato social reduzido diminui a chance de se expor a comentários que podem minar o processo delicado de amamentar. Como a lua de leite envolve se desligar um pouco do mundo externo, as pressões sociais são aliviadas, permitindo vivenciar a montanha-russa de emoções do puerpério sem a necessidade de se justificar nem fingir que tá tudo bem.

por que lua de leite_amqqs

Isso significa que não devo receber visitas nem sair nesse período?
Não. Claro que não. Mas a ideia é sim reduzir as visitas e as saídas para diminuir as cobranças sociais. Para a visita, uma boa regra é: a pessoa em questão pode te ver descabelada, na cama, pelada da cintura para cima ou de roupão? Existe intimidade e boa vontade na relação, de forma que você pode ficar tranquila se, por acaso, der uma descompensada básica (leia-se: se você for grossa ou histérica, ou se simplesmente resolver expulsar todo mundo dali)? Se a resposta for “sim” então a visita não atrapalhará. Quanto a sair, se der vontade e não for uma obrigação, ou se for necessário por motivos de saúde, não vejo por que não.

Preciso me preparar ativamente para a lua de leite?
Sim. Salvo exceções, a sociedade hoje não está preparada para acolher as mães nesse período. Dois exemplos  claros são a prática de separar o bebê na maternidade, levando-o para o berçário, e a expectativa cultural de receber visitas imediatamente após o nascimento. Ou seja, se você e o seu companheiro não forem pró-ativos, seu puerpério seguirá o padrão da nossa sociedade: bebê separado de vocês na maternidade, colocado em berços, bebês confortos e embalados em cueiros e mantas (ao invés de em contato pele a pele) nos primeiros dias e semanas, rotinas de cuidados e mamadas com horários fixos, visitas cheias de para entreter, pitacos de parentes e amigos, tempo de conexão mãe-bebê diminuído devido à obrigação de realizar tarefas domésticas etc.

Como me preparo para a lua de leite?
Antes do nascimento:

  • deixe refeições congeladas ou organize-se para que você não tenha que pensar em preparar ou comprar comida;
  • mande um e-mail para  amigos e parentes explicando o desejo de ficar a sós com o bebê no período de x dias após o nascimento, explicando os motivos, se quiser (inspire-se no modelo abaixo);
  • combine com a equipe médica (incluindo o pediatra!) que você faz questão do contato pele a pele e da amamentação na primeira hora de vida (se precisar de respaldo, lhes envie este link);
  • crie ou fortaleça sua rede de apoio – isto é, aquelas pessoas próximas, que respeitam o seu desejo e entendem a delicadeza do pós-parto, com quem você poderá contar para ir ao mercado, passar na farmácia, limpar sua casa, e que também estejam dispostas a ouvir sem julgar, dar um ombro para você chorar e fazer carinho quando mais precisa.

lua de leite_cartinha_amqqs

Na maternidade:

  • fique em contato pele a pele com o bebê assim que ele nascer (antes de medir, pesar etc.);
  • permita que ele inicie a amamentação no tempo dele, antes de ser tirado do seu colo;
  • atrase o primeiro banho (acredite: o cheiro de um recém-nascido é algo que só pode ser comparado ao néctar dos deuses);
  • faça alojamento conjunto (i.e. evite o berçário);
  • deixe o seu companheiro/ acompanhante com a tarefa de ser o guardião da lua de leite – isto é, de proteger você e o bebê de serem separados, de evitar os protocolos do hospital que interferem na amamentação (complemento e bicos artificiais, por exemplo), de “barrar” visitas que não vão agregar.

Em casa:

  • fique peladona da cintura pra cima, com o bebê só de fralda ou pelado;
  • cheire a cria (lamber também vale!);
  • de novo, deixe o maridão ou outra pessoa da rede de apoio responsável por todo que envolve o mundo externo: telefonemas, tarefas domésticas, compras etc.
  • permita-se sentir, deixe as emoções fluirem;
  • tenha em mãos o telefone de uma doula pós-parto ou consultora de amamentação ou banco de leite, caso o bicho pegue;
  • confie… É punk, é enlouquecedor às vezes, mas é assim mesmo. Você sobreviverá.

7 leis da lua de leite_amqqs

Espero que este post contribua para que você pense com carinho na possibilidade de viver uma lua de leite, para um início de maternidade suave (na medida do possível!), integral e com bastante leitinho e cheiro de bebê.

Anúncios

24 Comentários

Arquivado em Uncategorized

24 Respostas para “Lua de leite: o que, por que e como

  1. Mileide Campanha

    Adorei a Lua de Leite! E o seu site tb!!

  2. Angélica

    Obrigada! Mto obrigada!

  3. Regina

    amei e recomendo a todas novas mamae, pena que quando tive os meus era diferente. Muito legal REGINA

  4. ana cadamuro.

    achei muito legal essa tal lua de leite,apoio.

  5. Pingback: “O que você sabe” | Aos queridos, curiosos e pacientes

  6. Sandra Monteiro

    sou da Pastoral da Criança e trabalho nesta parte de amamentação.
    gostei muito do texto e coincide com o que orientamos nossas mães.
    gostei também do termo “lua de leite”
    parabéns
    SAndra

  7. Pingback: Amamentação: pequeno dossiê informativo | Projeto de Mãe

  8. Kelly

    Sabe, sou brasileira e moro no interior da França há 9 meses, onde nasceu meu primeiro filho. Tirando 2 visitas que colegas da universidade fizeram qdo eu estava na maternidade, não recebi ninguém em casa nesses 2 primeiros meses, e acho que seria mto complicado receber visitas neste tempo. Imagino como seria se eu estivesse no Brasil… Teria que receber mta gente, oferecer um bocado de coisas (lembrancinhas, café, bolinho…) e não iria relaxar como pude relaxar aqui estando só. As amigas mais próximas fazem falta sim… Mas depois do primeiro mês, qdo passei sentir necessidade de contato com o mundo exterior… Gostei desta lua de leite.

  9. Magda Fernanda

    Que lindo! Vivenciei a lua de leite com seus três filhos, e sempre recomendei as minhas amigas que o ideal era que as primeiras visitas e saídas acontecessem depois de – pelo menos – um mês por todos os motivos que constam no texto. Na minha época só não tinha este nome, que bom que surgiu alguém para normatizar a coisa, agora em diante vou recomendar uma linda Lua de Leite e a leitura deste texto a todos que estiverem próximos a viver esta incrível experiência de ter um filho(a).
    Gratidão!

  10. Pingback: Nuevos Ritos para Nuevos Padres | El Cambur

  11. Mariana Tais Primo Nogueira

    Linda leitura, acolhedora e sutil

  12. Precisei muito dessa orientacao em dezembro de 2011… Oooowwwww! Parabens! Adorei!

  13. Helydyane

    Que lindo… ainda não conhecia esse termo ”Lua de leite” mas em Agosto quando meu bebê nasceu consegui vivenciar esses momentos, graças ao meu esposo mãe e pai que me ajudaram muito. Momentos preciosos e que valem muuuuito apena, se desligar do mundo e curtir porque passa muito rápido!!! Todas as futuras mamães merecem saber disso.
    Parabéns pelo texto.

  14. Pingback: Lembrar do puerpério - Começando Errado

  15. Lourayne Veronica

    Eu amei essa idéia da “Lua de Leite”, meu sonho é que depois de dar a luz eu quero esse momento de privacidade com o meu filho… Não só acho lindo como eu apoio está idéia… Parabéns pela matéria… Espero que parentes e amigos me compreenda nesta fase de mãe pai e bebê ^^

  16. Pingback: A importância (para nós) da Lua de Leite | Escolhas Amorosas| uma viagem a partir da gestação, parto e maternagem

  17. Carla

    Se depender de mim,mãe nenhuma precisa se preocupar. Tanta coisa melhor pra fazer,e eu vou visitar bebê? Ficar vendo bebê defecar,urinar,gorfar e se esgoelar? Fala sério. Garanto o sossego da mãe, e principalmente o meu…

  18. Pingback: Lua de Leite | Agora sou Mamis

  19. Pingback: Gestação, Parto e Paternagem | Síntese Dourada

  20. Poliana

    Adorei essa lua de leite que me foi apresentada por você. Sempre respeitei muito o espaço de amigas e familiares nessa questão… E me choco e me indigno quando as pessoas não entendem (ou não querem entender!) e não respeitam esse momento da família. São momentos únicos e por vezes desconfortáveis pra mulher que está em puerpério, ter que fazer sala… não só pra pessoas queridas, mas muitas vezes pra curiosos que não acrescentam ou colaboram com a família de algum modo.

  21. Priscilla

    APOIADO! Para não ser chata, não fiz restrições as visitas e me arrependi. Ainda na maternidade e os primeiros dias em casa, as pessoas chegavam a toda hora e em qualquer horário. Pegavam meu pequeno sem lavar a mão, fedendo perfume,etc… Cansando a mim e ao meu bebê. Ninguém respeita o momento intimo da família. Deveria ter tido chilique de recém mãe sim.

  22. Pingback: Lua de Leite – Já Ouviu Falar? - Mamãe Tagarela

  23. Luciana

    Olá, adorei seu post.
    Sou uma futura mamãe, estou com 25 semanas.
    Gostaria de saber se posso postar esse texto em meu Facebook.
    Desde já lhe agradeço, a atenção!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s